QUE JESUS ABENÇOE O SEU DIA


Recados Para Orkut

O QUE É RADIOLOGIA ?

IMPORTANTE

CURSOS ON LINE POR PREÇOS JUSTOS
MELHORE O SEU CURRÍCULO E ENTRE
NO MERCADO DE TRABALHO MAIS RÁPIDO

CURSOS ON LINE COM CERTIFICADO E DE CUSTO BAIXO - PORTAL EDUCAÇÃO

CURSOS ON LINE COM CERTIFICADO E DE CUSTO BAIXO - PORTAL EDUCAÇÃO

LISTA DE CURSOS:

01) Radiologia e Análise de Imagens

02) Radiologia Odontológica

03) Radiologia Industrial

04) Tomografia Computadorizada

05) Ressonância Magnética

06) Mamografia

07) Anatomia Humana

08) Neuroanatomia

09) Fisiologia Geral

10) Farmacologia Geral

11) Microbiologia Geral

12) Biossegurança Hospitalar

13) Controle de Infecção em Serviços de Saúde

14) Epidemiologia e Saúde Pública

15) Sistema de Saúde Pública no Brasil

16) Curso de Fraturas

E muitos outros de interesse na área de saúde.
Acesse o link e encontre o seu curso. Cursos com videoconferência e certificados.

RADIOLOGIA E ANÁLISE DE IMAGENS

Curso online de Radiologia e Análise de Imagens

NOÇÕES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA

Curso online de Tomografia Computadorizada

NOÇÕES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA

Curso online de Ressonância Magnética

NOÇÕES DE MAMOGRAFIA

Curso online de Mamografia

NOÇÕES DE ULTRASSONOGRAFIA VETERINÁRIA

Curso online de Ultra-Sonografia em Pequenos Animais

ANATOMIA HUMANA

Curso online de Anatomia Humana

NEUROANATOMIA

Curso online de Neuroanatomia

CURSO DE FRATURAS - FUNDAMENTAL PARA O RADIOLOGISTA

Educação a Distância

PRIMEIROS SOCORROS EM EMERGÊNCIAS TRAUMÁTICAS

Curso online de Primeiros Socorros em Emergências Traumáticas

A PROFISSÃO DE TÉCNICO EM RADIOLOGIA: SAIBA MAIS SOBRE SUA CARREIRA

TENHA UM DIFERENCIAL: APRENDA ESPANHOL E PREPARE-SE PARA A COPA DO MUNDO

Educação a Distância

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

318) BREVE HISTÓRICO DA RADIOTERAPIA



TUMORES MALIGNOS MAIS FREQÜENTES NA POPULAÇÃO BRASILEIRA

* Mama
* Colo de Útero
* Estômago
* Pulmão
* Cólon e Reto
* Próstata
* Boca
* Esôfago
* Corpo de Útero


TUMORES MALIGNOS MAIS FREQUENTES POR SEXO NO BRASIL
Homens Mulheres Pulmão Mama Próstata Colo de Útero Estômago Cólon e Reto Cólon e Reto Estômago Boca Corpo de Útero Esôfago Pulmão Esôfago Boca


A radiação empregada em radioterapia é a chamada radiação ionizante. É assim denominada por sua capacidade de ionizar os átomos e as moléculas, ou seja, remover os elétrons que se movem em torno do núcleo.


Os átomos que perdem os elétrons se tornam muito reativos e no sentido de se estabilizarem, se associam a outras moléculas que também perderam elétrons. Isto leva a uma completa desorganização do metabolismo celular. A ação fundamental da irradiação é a de bloquear a divisão celular por lesão do DNA ou por destruição direta das células. Age especialmente nas células que estão se dividindo com mais rapidez e nas que são melhor oxigenadas. Porém, atua de maneira indistinta sobre células normais e anormais. Sua ação benéfica se dá porque as células tumorais tem baixa capacidade de se recuperar dos danos da radioterapia, enquanto as células normais o fazem com facilidade. Das doenças crônico-degenerativas, os tumores malignos são os que se podem curar com mais facilidade .


Existe uma inexplicável crença muito difundida entre a população e mesmo no meio médico que a cura nos tumores é rara. Isto certamemente não é verdade. Define-se cura quando a pessoa passa a ter a mesma possibilidade de sobrevida da população de mesma faixa etária. Em algumas circunstâncias seqüelas crônicas podem advir do tratamento. Hoje com os modernos métodos de reabilitação muitas destas consequências podem ser evitadas ou diminuídas.


Por exemplo, a perda da voz pode ser quase totalmente recuperada através da fonoaudiologia. A perda de um grupo muscular pode ser compensada com a fisioterapia. Pergunte a seu médico se existe alguma medida preventiva que possa ser tomada para evitar as complicações a curto e a longo prazos. A saúde é definida pela OMS (Organização Mundial de Saúde ) como um equilíbrio entre o bem estar biológico, psicológico e social do indivíduo. Tradicionalmente a medicina busca alcançar o bem estar físico, e secundariamente o pscológico. No entanto, como fica claro da definição da OMS que eliminar a doença não é o bastante para o indivíduo se tornar saudável.


Reintegrar-se a suas atividades cotidianas com mínimas limitações, além de estar em paz consigo, sem temores, deve ser o objeto de nossa busca. Em muitos casos a ajuda de um profissional da área da saúde mental, psicólogo ou psiquiatra pode ajudar a restabelecer este equilíbrio. Para a recuperação da saúde, entendida em sua plenitude, é muito importante que a sociedade civil se organize através de instituições não governamentais. Muitos grupos de pacientes e de colaboradores desta causa tem se organizado em todo o país atráves de associações de combate ao câncer. Estas auxiliam a divulgar a importância do diagnóstico precoce; apoiam as pessoas durante o tratamento; trocam informações entre si; ajudam na reabilitação, além de atuarem como um importante fator de pressão sobre os organismos governamentais. É a cidadania posta em prática. A radioterapia pode ser utilizada no tratamento de lesões benígnas e em tumores malígnos.


INDICAÇÕES DE RADIOTERAPIA EM LESÕES BENIGNAS


* PTERÍGIO
* HEMANGIOMAS
* CICATRIZ QUELOIDIANA
* TUMORES DE HIPÓFISE
* DOENÇA DE PEYRONIE
* TUMORES DO CORPOS CAROTÍDEO
* MALFORMAÇÕES ARTERIOVENOSAS
* PSEUDO TUMOR ORBITÁRIO


INDICAÇÕES DE RADIOTERAPIA EM LESÕES MALIGNAS

A tabela abaixo mostra o percentual de atuação de cada arma terapêutica no combate ao câncer, quando utilizada de forma isolada ou seja, biópsia seguida apenas de cirugia, biópsia seguida de radioterapia ou biópsia seguida de quimioterapia. Mostra também que a maior parte dos pacientes são hoje tratados com uma combinação dos três tratamentos.


PRINCIPAIS TRATAMENTOS DAS DOENÇAS MALIGNAS

EMPREGO DO TRATAMENTO


* CIRURGIA ISOLADA 20%
* RADIOTERAPIA ISOLADA 10%
* QUIMIOTERAPIA ISOLADA 10%
* CIRURGIA + RADIOTERAPIA + QUIMIOTERAPIA 60%


INDICAÇÕES DE RADIOTERAPIA ISOLADA

* Tumores de pele
* Tumores cerebrais
* Tumores de cabeça e pescoço
* Linfoma de Hodgkin
* Linfoma não Hodgkin
* Tumores de esôfago
* Tumores de pulmão
* Tumores de colo uterino
* Tumores do corpo uterino
* Tumores de testículo
* Tumores de próstata
* Plasmocitoma


RADIOTERAPIA ASSOCIADA À CIRURGIA E/OU QUIMIOTERAPIA


* Tumores do reto
* Mama
* Bexiga
* Orgáos genitais femininos (colo e corpo uterino)
* Tumores de partes moles.


A radioterapia pode ser empregada de forma isolada ou em combinação com outras formas de tratamento. Geralmente a finalidade do tratamento é dividida em curativa e paliativa.


Curativa objetiva um controle permanente possibiltando ao cliente obter cura, ou seja, ter a mesma expectativa de vida da polulação de sua faixa de idade. Paliativa quando a finalidade é a de melhorar a qualidade da sobrevida.


A RADIOTERAPIA pode ser empregada isoladamente ou em combinações com outras tratamentos, como podemos ver abaixo:


MODALIDADES DE RADIOTERAPIA


* RADIOTERAPIA ISOLADA
* RADIOTERAPIA PÓS-OPERATÓRIA
* RADIOTERAPIA PRÉ- OPERATÓRIA
* RADIOTERAPIA ASSOCIADA À QUIMIOTERAPIA


A descoberta da radioatividade artificial (raios x) ocorreu em 1895, com o desenvolvimento de aparelhos emissores de irradiação. A radioatividade natural foi descoberta em 1896. Os pioneiros destas decobertas notaram que a radiação apresentava propriedades físicas e biológicas.


A propriedade física mais notável se dava quando se interpunha um objeto entre a fonte de irradiação e uma chapa fotográfica, pois esta era capaz de registrar a imagem deste objeto. Esta propriedade de se captar uma imagem permitiu o desenvolvimento da radiologia.


Sua propriedade biológica mais importante se dava ao se expor parte de nosso organismo aos novos raios. A exposição das mãos a irradiação provocava lesões na pele semelhante as provocadas pelo sol, com posterior recuperação tão logo esta exposição fosse interrompida. Nesta época atribuia-se a luz solar muitas propriedades benéficas, como o combate as bactérias e a sua função cicatrizante (era muito comum colocar os pacintes sob o sol, expondo-se as áreas doentes). Ora, como os novos raios, artificialmente produzidos apresentavam propriedades semelhantes a da luz solar, foram rapidamente empregados em medicina.


Em 29 de janeiro de 1896, pela primeira vez, uma paciente portadora de um volumoso câncer de mama, sangrante e inoperável foi submetida a exposição com os recém descobertos raios-x. Houve uma surpreendente resposta com grande diminuição do volume tumoral e do sangramento. Registra-se assim pela primeira vez a benéfica ação da irradiação, abrindo um novo horizonte no tratamento de diversas patologias, que até então dependiam exclusivamente de abordagem cirúrgica. Estava inaugurada a radioterapia.


A radioterapia pode ser administrada através do emprego de aparelhos emissores de irradiação, externos ao paciente. Pode-se ainda colocar o aparelho irradiador em íntimo contato com a lesão através da braquiterapia.


A DESCOBERTA DA RADIOATIVIDADE ARTIFICIAL


Wilhelm Conrad ROENTGEN nasceu em março de 1845 na cidade de Lennep na Alemanha. Aos 23 anos graduou-se em engenharia mecânica, tendo obtido o tÍtulo de doutor pela Universidade de Zurich. Em 1880 já obtivera reconhecimento internacional por seus estudos sobre os efeitos magnéticos. Em 1894, aos 49 anos de idade, foi escolhido reitor da Universidade de Wusburg. Dedicou toda a sua vida acadêmica ao ensino e a física experimental. Homem tímido, reservado e cordial, vestia-se impecavelmente. Em 8 de novembro de 1895, sexta feira, Roentgen ao trabalhar com um tubo de raios catódicos percebeu a presença de uma luminosidade vinda de um ponto da bancada de trabalho. Notou que a fluorescência brilhante provinha de um écran de cristais de platinocianeto de bário que lá se encontrava acidentalmente. Roentgen percebeu que certamente algum fenômeno desconhecido excitava a fluorescência. Colocando sua mão sobre o écran notou a imagem de seus ossos, realizando assim a primeira fluoroscopia. Substituiu o écran por um filme fotográfico obtendo a imagem de diversos objetos. Em 22 de dezembro ao expor a mão de sua esposa durante 15 minutos aos raios-x realiza a primeira radiografia humana.


O trabalho de Roentgen ganhou repercusão imediata e universal nos meios acadêmicos e entre a imprensa e o público leigo, impressionados com as "fotografias do invisível" através dos chamados raios-x. Os equipamentos necessários para a obtenção desta irradiação era de fácil construção sendo rapidamente manufaturados em várias partes do mundo. De acordo com inúmeros historiadores, das descoberta científicas fora da área médica, o emprego dos raios-x, foi a que com maior rapidez e repercussão se incorporou a prática clínica. Mais de 1000 trabalhos científicos e cerca de 50 livros foram publicados na literatura mundial em 1896 sobre sua aplicação. Roentgen foi agraciado com inúmeras homenagens e distinções por sua descoberta, embora devido a sua extrema modestia declinasse a maior parte dos convites. Agraciado em 1901 com primeiro prêmio Nobel de Física, destinou o dinheiro do prêmio para a Universidade de Wusburg.


A DESCOBERTA DA RADIOATIVIDADE NATURAL


BECQUEREL, Antoine Henri, físico francês nascido em Paris em 1852, era filho e neto de eminentes pesquisadores e físicos. Seu avô, inventou a pilha voltaica e seu pai estudou o espectro ultra-violeta. Foi catedrático de física do Museu de História Natural e professor em 1895 da Escola Politécnica.


Em 1896 pesquisava a relação existente entre a fosforecência de certos minerais, depois de expostos à luz, e sua capacidade de obscurecer chapas fotográficas. Descobriu acidentalmente que certos sais fosforecentes de urânio podiam impressionar uma chapa fotográfica, independentes de prévia exposição à luz. Podiam ainda provocar ionização dos gases e penetrar a matéria, da mesma forma que os raios descobertos por Roentgen. Descobriu portanto, a radioatividade natural, passo fundamental para a criação da Física Nuclear. Compartilhou em 1903 o premio Nobel de física com o casal PIERRE E MARIE CURIE


Marie Curie foi uma das mais notáveis cientistas do mundo. Nascida em Varsóvia, em setembro de 1867, era filha de um professor de física e matemática, e desde muito jovem destacava-se por seu amor aos estudos e seu desejo de aprender.


Aos 24 anos de idade mudou-se para Paris, onde se graduou em Física em 1893. Pierre Curie, nasceu em Paris, filho de pai médico, desde criança já demonstrava uma inteligência incomum. Pierre e Marie Curie casaram-se em 1895 constitundo uma das mais importantes parcerias. Ao tomarem conhecimento dos recentes artigos publicados por Roentgen e por Becquerel, decidiram por estudar este então enigmático fenômeno. Na tentativa de encontrar outros elementos radioativos e após incansáveis esforços foi capaz de, em 1898, isolar dois outros elementos, o Polônio e o Radium. Seguiram-se 3 anos de renovado esforço até que em 1902 foi possível obter um decigrama puro de radium. Becquerel e o casal Curie sofreram queimaduras ao manipularem o radium, que cicatrizaram-se após algumas semanas, a semelhança do que ocorria com a exposição aos raios-x.


Esta tríade exposição, dano biológico aos tecidos e restituição levou-os a especular se estas irradiações não poderiam ser usadas com finalidade terapêutica. A combinação de raios-x e de radium foi aplicada a seguir no tratamento de diversas patologias. A partir de 1904 descrevem-se as primeiras aplicações de radium para tratamento dos tumores malígnos do colo do útero. Marie Curie, além do prêmio Nobel de Física compartilhado com Pierre e Becquerel em 1903, recebeu o prêmio Nobel de Química em 1911, sendo a única pessoa a receber este prêmio duas vezes. Marie Curie e sua filha Irene (também prêmio Nobel de Química) visitaram o Brasil em 1906. Estiveram no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte, onde visitaram o primeiro hospital da América Latina dedicado ao tratamento do câncer: O Hospital do Radium, hoje Hospital Borges da Costa.


BRANQUITERAPIA

A utilização de material radioativo em contato direto com o tumor é chamado de braquiterapia. Desde 1091 pequenas quantidades de radium passaram a ser empregadas nos tratamento de lesões de pele. Nesta época limitava-se a inserir tubos dde radium dentro do tumor por um certro período de tempo, removendo-os em seguida.


O primeiro sucesso do emprego da braquiterapia foi divulgado em 1903 no tratatamento de dois tumores malignos de pele. Desde 1904 o tratamento de tumores do colo do útero tambem vem sendo realizado com o emprego de fontes de radium. Em 1913 foi inaugurado em Paris um pavilhão destinado a pesquisas médico científicas com o emprego de elementos radioativos, sendo dirigido por Claude Regaud. Desde então Paris se tornou grande centro difusor das técnicas de braquiterapia acolhendo cientístas de todo o mundo. A partir de 1914 o gáz radônio, sob a forma de tubos, também passou a ser utilizado no tratamento de inúmero tumores.


No final da década de 30 o local de convergência dos estudiosos mudou-se para a Inglaterra. No Christie Hospital em Manchester, foi desenvolvido um sistema didático de braquiterapia, com base em uma nova unidade de radiação, o roentgen, com regras e tabelas que muito facilitaram a utilização dos elementos radioativos. Seus trabalhos conhecidos como da escola de Manchester são ainda hoje utilizados. Durante a Segunda Grande Guerra foram suspensas todas as atividades médico nucleares, só retornando seu emprego a partir de 1948. Até 1953 todo o material radiaticvo era diretamente colocado na lesão. Desta forma os médicos e os profissionais de saúde recebiam durante a operação grande quantidade de radiação. Em 1953 Ulrich Henschke desenvolveu emn sistema chamado de carga postergarda. Este método utiliza tubos de plasticos ocos que são colocados na lesão. Só posteriormente quando completado o procedimeneto é que as cargas radiativas serão inseridas nos tubos. Isto em muito diminuiu a exposição dos médicos a radiação.


A partir da década de 80 um renovado interesse pela braquiterapia passou a acontecer. Surgiram técnicas que com a ajuda da computação permitiu a administração mais precisa das doses. Novos isótopos foram incorporados ao arsenal terapêutico. e outras técnicas de carga postergada, praticamente eliminaram a exposição dos profissionais de saúde a irradiação. Atualmente a braquiterapia pode ser utilizada com cargas de baixa taxa de dose, quando o pacinete permanece internado com o material radioativo no local da lesão por 2 a 4 dias, ou com aparelhos de alta taxa de dose ( a chamada radioterapia "high dose"), em que a mesma dose é administrada em poucos minutos, sem a necessidade de internação.


PRINCIPAIS INDICAÇÕES DE BRAQUITERAPIA

* Tumores de cabeça e pescoço
* Tumores de partes moles
* Tumores do colo do útero
* Tumores do corpo do útero
* Tumores de próstata


O emprego de aparelhos de baixo poder de penetração constitue a chamada radioterapia de ortovoltagem. As tentativas de se sistematizar o emprego da irradiação datam de 1906 quando Williams passou a padronizar o tratamento relacionando o tempo de exposição com a milamperagem, tendo construído uma tabela mostrando a intensidade de dose e as doses de segurança em função de diferentes distâncias.


Desde 1902 existe a preocupação de se realizar dosimetrias. As tentativas iniciais tentavam medir a energia calórica emitida pelos aparelhos; a medida de dose pela mudança de cor que a irradiação provocava em certas substâncias químicas, a cromoradiometria; quantimetrias baseadas na ação dos raios em papel fotográfico; métodos de medida baseados na condutividade no ar sob a ação da radiação ionizante e finalmente a determinação da camada semi redutora. Nos primórdios da radioterapia administrava-se tanta dose de irradiação quando se julgava ser o paciente capaz de tolerar, sendo geralmente o limite da dose estabelecido pela tolerância da pele (dose eritema).


A partir de 1928 estabelece-se uma unidade básica de dose, o roentgen, que uniformizou os critérios de sua mensuração.O roentgen prevaleceu até 1962 quando foi substituído pelo rad. A unidade atualmente empregada é o cGy (centiGray), em homenagem ao famoso físico e radiobiologista inglês L.H. Gray, de acordo com a orientação da Comissão Internacional de Unidades e Medidas Radiológicas (ICRU). Por volta de 1915 conseguia-se produzir energia da ordem de 100 KV. Em 1920 Seitz e Wintz na Alemanha introduziram a radioterapia profunda com um aparelho de 200 KV, fundando a moderna radioterapia. Em 1928 o Instituto de Tecnologia da California dispunha de um aparelho de 550 KV.


Em 1920 Coutard na França passou a utilizar filtração no sentido de aumentar a percentagem de dose profunda e pioneiramente iniciou a radioterapia em doses fracionadas. Em 1931 o Memorial Hospital de Nova York instalou um aparelho de 750 KV desenvolvido pelo Dr. Coolidge onde pioneiros da física como Quimby, Marinelli e Henshaw trabalharam. Em 1935 o Laboratório Kellogg constrói um enorme aparelho de radioterapia externa de 1 MeV, com um tubo de cerca de 10 metros de comprimento, capaz de tratar 4 pacientes ao mesmo tempo, emitindo 20 r por minuto a DFP de 70 cm, ao custo de 50.000 dólares. Necessitava da presença de engenheiros e físicos para sua operação e manutenção.


O progressivo desenvolvimento tecnológico permitiu a construção de aparelhos produtores de radiação, de alto poder de penetração, os aceleradores lineares, que produzem energia de 4 MeV a 20 Mev.


GAMATERAPIA

Entende-se por Gamaterapia a utilização de substâncias radioativas (isótopos) naturais ou artificialmente produzidos, no tratamento dos tumores. As primeiras fontes de gamaterapia usavam o radium como material radioativo.Em 1912, constrói-se o primeiro aparelho para tratamento de câncer pélvico, o "canhão de radium", rapidamente abandonado por necessitar de grande quantidade de material radioativo para seu funcionamento. Tinha ainda como grande limitação o alto custo do radium, pois 1 g no início do século custava 100.000 dólares. Em 1922, foi construído no Hospital Radiumhemmt em Estocolmo o que provavelmente pode ser considerado até então, como o mais poderoso aparelho de gamaterapia, pois utilizava 2 gramas de radium, trabalhando com distância entre a fonte e a pele de 6,0 cm. Até 1929 apenas 6 unidades similares estavam disponíveis no mundo. Uma em Estocolmo, Baltimore, Bruxelas, Nova York e duas em Paris. A partir de 1950, um aparelho contendo 50 g de radium foi contruído no Roosevelt Hospital em Nova York, emitindo 3 cGy por minuto, e trabalhando a distância foco-pele de 10 cm. As limitações do uso dos aparelhos com radium ainda decorriam da dificuldade de sua obtenção e de seu alto custo.


A partir da Segunda Grande Guerra tornaram-se disponíveis isótopos radioativos artificialmente fabricados em um reator nuclear. O primeiro substituto do radium foi o Cobalto 60. Em 1949, Grimmet, físico inglês, trabalhando no Departamento de Física do Hospital MD Anderson, em Houston no Texas, desenvolveu o primeiro protótipo, construído pela GE Corporation, com cobalto irradiado no Canadá. Iniciou seu uso clínico em setembro de 1953. A partir daí foi aperfeiçoado o mais importante aparelho de radiação até então concebido: o telecobalto, impropriamente conhecido como bomba de cobalto.


Embora já na década de 50 alguns aparelhos produzissem energia da ordem de 1 MeV (milhões de elétron-volts), o emprego de energia desta magnitude só se popularizou com o advento dos aparelhos de telecobaltoterapia. O uso desses aparelhos cuja energia emitida é de 1,2 MeV, constituiu uma revolução na Radioterapia pela possibilidade de tratar lesões profundas sem efeitos significativos sobre a pele. De forma independente e simultânea T. A. Watson, Mayneord e Johns desenvolveram um aparelho de telecobaltoterapia que foi manufaturado e instalado na Universidade de Saskatchewan em Saskatoon, no Canadá. Instalado em agosto de 1951, iniciou sua operação clínica em novembro do mesmo ano.


Neste ínterim, o primeiro protótipo comercialmente disponível de uma unidade de cobalto 60 foi produzido, o El Dorado, construído por El Dorado Mining and Refining Company, em Otawa no Canadá. Foi instalado na Clínica de Câncer do Hospital Vitória, em Ontário em 1951, tratando o primeiro paciente em outubro daquele ano. Houve um grande desenvolvimento e popularização dos aparelhos de tele-cobaltoterapia. Em 1961, cerca de 1.500 unidades estavam em operação em todo o mundo.










Aparelho para Radiografia I

Aparelho para Radiografia I

O QUE É RADIOGRAFIA ?

Os exames radiográficos utilizam raios-X; neste, o feixe de raios-X, transmitido através do paciente, impressiona o filme radiográfico, o qual, uma vez revelado, proporciona uma imagem que permite distinguir estruturas e tecidos com propriedades diferenciadas. Durante o exame radiográfico os raios-X interagem com os tecidos através do efeito fotoelétrico e Compton. Em relação à probabilidade de ocorrência destes efeitos, obtêm-se imagens radiográficas que, mostram tonalidades de cor cinza bem diferenciadas; conforme a densidade, tudo o que está dentro do corpo surge em uma cor diferente numa radiografia. Nos ossos, a radiografia acusa fraturas, tumores, distúrbios de crescimento e postura. Nos pulmões, pode flagrar da pneumonia ao câncer. Em casos de ferimento com armas de fogo, ela é capaz de localizar onde foi parar o projétil dentro do corpo. Para os dentistas, é um recurso fundamental para apontar as cáries. Na densitometria óssea, os raios-X detectam a falta de mineral nos ossos e podem acusar a osteoporose, comum em mulheres após a menopausa. Na radiografia contrastada, é possível diferenciar tecidos com características bem similares, tais como os músculos e os vasos sangüíneos, através do uso de substâncias de elevado número atômico (Iodo ou o Bário). Ainda, os raios-X possibilitaram o surgimento de exames como a tomografia axial computadorizada (TAC) que, com ajuda do computador, é capaz de fornecer imagens em vários planos, de forma rápida e precisa, utilizando quantidades mínimas de radiação.


Aparelho para Ecografia ou Ultra-Sonografia II

Aparelho para Ecografia ou Ultra-Sonografia II

O QUE É ECOGRAFIA OU ULTRASSONOGRAFIA ?

A ultrassonografia, ou ecografia, é um método diagnóstico que aproveita o eco produzido pelo som para ver em tempo real as reflexões produzidas pelas estruturas e órgãos do organismo. Os aparelhos de ultra-som em geral utilizam uma freqüência variada dependendo do tipo de transdutor, desde 2 até 14 MHz, emitindo através de uma fonte de cristal piezo elétrico que fica em contato com a pele e recebendo os ecos gerados, que são interpretados através da computação gráfica. Quanto maior a frequência maior a resolução obtida. Conforme a densidade e composição das estruturas a atenuação e mudança de fase dos sinais emitidos varia, sendo possível a tradução em uma escala de cinza, que formará a imagem dos órgãos internos.

A ultrassonografia permite também, através do efeito Doppler, se conhecer o sentido e a velocidade de fluxos sanguíneos. Por não utilizar radiação ionizante, como na radiografia e na tomografia computadorizada, é um método inócuo, barato e ideal para avaliar gestantes e mulheres em idade procriativa.
A ultrassonografia é um dos métodos de diagnóstico por imagem mais versáteis e oblíquos, de aplicação relativamente simples e com baixo custo operacional. A partir dos últimos vinte anos do século XX, o desenvolvimento tecnológico transformou esse método em um instrumento poderoso de investigação médica dirigida, exigindo treinamento constante e uma conduta participativa do usuário.

CARACTERÍSTICAS:
Esta modalidade de diagnóstico por imagem apresenta características próprias:
-É um método não invasivo ou minimamente invasivo.

-Apresenta a anatomia em imagens seccionais ou tridimensionais, que podem se adquiridas em qualquer orientação espacial.

-Não possui efeitos nocivos significativos dentro das especificações de uso diagnostico na medicina.

-Não utiliza radiação ionizante.

-Possibilita o estudo não invasivo da hemodinâmica corporal através do efeito Doppler.
-Permite a aquisição de imagens dinâmicas, em tempo real, possibilitando estudos do movimento das estruturas corporais. O método ultra-sonográfico baseia-se no fenômeno de interação de som e tecidos, ou seja, a partir da transmissão de onda sonora pelo meio, observamos as propriedades mecânicas dos tecidos. Assim, torna-se necessário o conhecimento dos fundamentos físicos e tecnológicos envolvidos na formação das imagens do modo pelo qual os sinais obtidos por essa técnica são detectados, caracterizados e analisados corretamente, propiciando uma interpretação diagnóstica correta.

Além disso, o desenvolvimento contínuo de novas técnicas, a saber: o mapeamento Doppler, os meios de contraste, os sistemas de processamento de imagens em 3D, as imagens de harmônicas e a elastometria exigem um conhecimento ainda mais amplo dos fenômenos físicos.

A ultrassonografia pode contribuir como auxílio no diagnóstico médico e veterinário, sendo sua aplicação mais ampla atualmente em seres humanos. Pode acompanhar durante a gravidez o bebê desde seus primórdios ao nascimento, avaliando aspectos morfofuncionais. Permite ainda a orientação de processos invasivos mesmo antes do nascimento. Interage e auxilia a todas as demais especialidades médicas e cada vez mais firma-se como um dos pilares do diagnóstico médico na atualidade.

Aparelho para Tomografia Computadorizada I

Aparelho para Tomografia Computadorizada I

O QUE É TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA ?

A tomografia computadorizada ou computorizada (TC), originalmente apelidada tomografia axial computadorizada / computorizada (TAC), é um exame complementar de diagnóstico por imagem, que consiste numa imagem que representa uma secção ou "fatia" do corpo. É obtida através do processamento por computador de informação recolhida após expor o corpo a uma sucessão de raios X.

PRINCÍPIOS FÍSICOS:

A TC baseia-se nos mesmos princípios que a radiografia convencional, segundo os quais tecidos com diferente composição absorvem a radiação X de forma diferente. Ao serem atravessados por raios X, tecidos mais densos (como o fígado) ou com elementos mais pesados (como o cálcio presente nos ossos), absorvem mais radiação que tecidos menos densos (como o pulmão, que está cheio de ar).
Assim, uma TC indica a quantidade de radiação absorvida por cada parte do corpo analisada (radiodensidade), e traduz essas variações numa escala de cinzentos, produzindo uma imagem. Cada pixel da imagem corresponde à média da absorção dos tecidos nessa zona, expresso em unidades de Hounsfield (em homenagem ao criador da primeira máquina de TC).

PROCEDIMENTO:

Para obter uma TC, o paciente é colocado numa mesa que se desloca para o interior de um anel de cerca de 70 cm de diâmetro. À volta deste encontra-se uma ampola de Raios-X, num suporte circular designado gantry. Do lado oposto à ampola encontra-se o detector responsável por captar a radiação e transmitir essa informação ao computador ao qual está conectado. Nas máquinas sequenciais ou de terceira geração, durante o exame, o “gantry” descreve uma volta completa (360º) em torno do paciente, com a ampola a emitir raios X, que após atravessar o corpo do paciente são captados na outra extremidade pelo detector. Esses dados são então processados pelo computador, que analisa as variações de absorção ao longo da secção observada, e reconstrói esses dados sob a forma de uma imagem. A “mesa” avança então mais um pouco, repetindo-se o processo para obter uma nova imagem, alguns milímetros ou centímetros mais abaixo.Os equipamentos designados “helicoidais”, ou de quarta geração, descrevem uma hélice em torno do corpo do paciente, em vez de uma sucessão de círculos completo. Desta forma é obtida informação de uma forma contínua, permitindo, dentro de certos limites, reconstruir imagens de qualquer secção analisada, não se limitando, portanto aos "círculos" obtidos com as máquinas convencionais. Permitem também a utilização de doses menores de radiação, além de serem muito mais rápidas. A hélice é possível porque a mesa de pacientes, ao invés de ficar parada durante a aquisição, durante o corte, tal como ocorre na tomografia convencional, avança continuamente durante a realização dos cortes. Na tomografia convencional a mesa anda e pára a cada novo corte. Na helicoidal a mesa avança enquanto os cortes são realizados.Atualmente também é possível encontrar equipamentos denominados DUOSLICE, e MULTISLICE, ou seja, multicorte, que, após um disparo da ampola de raios x, fornecem múltiplas imagens. Podem possuir 2, 8, 16, 64 e até 128 canais, representando maior agilidade na execução do exame diagnostico. Há um modelo, inclusive, que conta com dois tubos de raios-x e dois detectores de 64 canais cada, o que se traduz em maior agilidade para aquisição de imagens cardíacas, de modo que não é necessário o uso de beta-bloqueadores. Permite também aquisições diferenciais, com tensões diferentes em cada um dos emissores, de modo a se obter, por subtração, realce de estruturas anatômicas.Com essa nova tecnologia é possível prover reconstruções 3D, MPR (MultiPlanarReconstrucion) ou até mesmo mensurar perfusões sanguíneas.

CARACTERÍSTICAS DAS IMAGENS TOMOGRÁFICAS:

Entre as características das imagens tomográficas destacam-se os pixeis, a matriz, o campo de visão (ou fov, “field of view”), a escala de cinza e as janelas.
O pixel é o menor ponto da imagem que pode ser obtido. Assim uma imagem é formada por certa quantidade de pixeis. O conjunto de pixeis está distribuído em colunas e linhas que formam a matriz. Quanto maior o número de pixeis numa matriz melhor é a sua resolução espacial, o que permite um melhor diferenciação espacial entre as estruturas. E apos processos de reconstrução matemática, obtemos o Voxel (unidade 3D) capaz de designar profundidade na imagem radiológica. O campo de visão (FOV) representa o tamanho máximo do objeto em estudo que ocupa a matriz, por exemplo, uma matriz pode ter 512 pixeis em colunas e 512 pixeis em linhas, e se o campo de visão for de 12 cm, cada pixel vai representar cerca de 0, 023 cm (12 cm/512). Assim para o estudo de estruturas delicadas como o ouvido interno o campo de visão é pequeno, como visto acima enquanto para o estudo do abdômen o campo de visão é maior, 50 cm (se tiver uma matriz de 512 x 512, então o tamanho da região que cada pixel representa vai ser cerca de quatro vezes maior, ou próximo de 1 mm). Não devemos esquecer que FOV grande representa perda de foco, e consequentemente radiação x secundaria.
Em relação às imagens, existe uma convenção para traduzir os valores de voltagem detectados em unidades digitais. Dessa forma, temos valores que variam de –1000, onde nenhuma voltagem é detectada: o objeto não absorveu praticamente nenhum dos fótons de Rx, e se comporta como o ar; ou um valor muito alto, algo como +1000 ou mais, caso poucos fótons cheguem ao detector: o objeto absorveu quase todos os fótons de RX. Essa escala onde –1000 é mais escuro, 0 é um cinza médio e +1000 (ou mais) é bem claro. Dessa forma quanto mais RX o objeto absorver, mais claro ele é na imagem. Outra vantagem é que esses valores são ajustados de acordo com os tecidos biológicos. A escala de cinza é formada por um grande espectro de representações de tonalidades entre branco, cinza e o preto. A escala de cinzas é que é responsável pelo brilho de imagem. Uma escala de cinzas foi criada especialmente para a tomografia computadorizada e sua unidade foi chamada de unidade Hounsfield (HU), em homenagem ao cientista que desenvolveu a tomografia computadorizada. Nesta escala temos o seguinte:

zero unidades Hounsfield (0 HU) é a água,

ar -1000 (HU),

osso de 300 a 350 HU;

gordura de –120 a -80 HU;

músculo de 50 a 55 HU.

As janelas são recursos computacionais que permitem que após a obtenção das imagens a escala de cinzas possa ser estreitada facilitando a diferenciação entre certas estruturas conforme a necessidade. Isto porque o olho humano tem a capacidade de diferenciar uma escala de cinzas de 10 a 60 tons (a maioria das pessoas distingue 20 diferentes tons), enquanto na tomografia no mínimo, como visto acima há 2000 tons. Entretanto, podem ser obtidos até 65536 tons – o que seria inútil se tivéssemos que apresentá-los ao mesmo tempo na imagem, já que não poderíamos distingui-los. A janela é na verdade uma forma de mostrar apenas uma faixa de tons de cinza que nos interessa, de forma a adaptar a nossa capacidade de visão aos dados obtidos pelo tomógrafo.

Numa janela define-se a abertura da mesma, ou seja, qual será o número máximo de tons de cinza entre o valor numérico em HU do branco e qual será o do preto. O nível é definido como o valor (em HU) da média da janela. O uso de diferentes janelas em tomografia permite, por exemplo, o estudo dos ossos com distinção entre a cortical e a medular óssea ou o estudo de partes moles com a distinção, por exemplo, no cérebro entre a substância branca e a cinzenta. A mesma imagem pode ser mostrada com diferentes ajustes da janela, de modo a mostrar diferentes estruturas de cada vez. Não é possível usar um só ajuste da janela para ver, por exemplo, detalhes ósseos e de tecido adiposo ao mesmo tempo. As imagens tomográficas podem ser obtidas em dois planos básicos: o plano axial (perpendicular ao maior eixo do corpo) e o plano coronal (paralelo a sutura coronal do crânio, ou seja, é uma visão frontal). Após obtidas as imagens, recursos computacionais podem permitir reconstruções no plano sagital (paralelo a sutura sagital do crânio) ou reconstruções tridimensionais.

Como na radiografia convencional o que está sendo analisado são diferenças de densidade, que podem ser medidas em unidades Hounsfield.

Para descrever diferenças de densidades entre dois tecidos é utilizada uma nomenclatura semelhante à utilizada na ultrassonografia: isoatenuante, hipoatenuante ou hiperatenuante. Isoatenuante é utilizada para atenuações tomográficas semelhantes. Hipoatenuantes para atenuações menores do que o tecido considerado padrão e hiperatenuante para atenuações maiores que o tecido padrão (geralmente o órgão que contém a lesão é considerado o tecido padrão, ou quando isto não se aplica, o centro da janela é considerado isoatenuante).

VANTAGENS E DESVANTAGENS:

VANTAGENS:
A principal vantagem da TC é que permite o estudo de "fatias" ou secções transversais do corpo humano vivo, ao contrário do que é dado pela radiologia convencional, que consiste na representação de todas as estruturas do corpo sobrepostas. É assim obtida uma imagem em que a percepção espacial é mais nítida. Outra vantagem consiste na maior distinção entre dois tecidos. A TC permite distinguir diferenças de densidade da ordem 0,5% entre tecidos, ao passo que na radiologia convencional este limiar situa-se nos 5%. Desta forma, é possível a detecção ou o estudo de anomalias que não seria possível senão através de métodos invasivos, sendo assim um exame complementar de diagnóstico de grande valor.

DESVANTAGENS:
Uma das principais desvantagens da TC é devida ao fato de utilizar radiação X. Esta tem um efeito negativo sobre o corpo humano, sobretudo pela capacidade de causar mutações genéticas, visível, sobretudo em células que se estejam a multiplicar rapidamente. Embora o risco de se desenvolverem anomalias seja baixo, é desaconselhada a realização de TCs em grávidas e em crianças, devendo ser ponderado com cuidado os riscos e os benefícios. Apesar da radiação ionizante X, o exame tornasse com o passar dos anos o principal metodo de diagnostico por imagem, para avaliação de estruturas anatômicas com densidade significativa. O custo do exame não é tão caro como outrora, se comparado ao raios x convencional. Oferecendo ao profissional medico um diagnostico rápido e cada vez mais confiável.

Aparelho para Densitometria Óssea I

Aparelho para Densitometria Óssea I

O QUE É DENSITOMETRIA ÓSSEA ?

A Densitometria Óssea estabeleceu-se como o método mais moderno, aprimorado e inócuo para se medir a densidade mineral óssea e comparado com padrões para idade e sexo.

Essa é condição indispensável para o diagnóstico e tratamento da osteoporose e de outras possíveis doenças que possam atingir os ossos. Os aparelhos hoje utilizados conseguem aliar precisão e rapidez na execução dos exames, a exposição a radiação é baixa, tanto para o paciente como para o próprio técnico. O técnico do sexo feminino pode trabalhar mesmo estando grávida.

As partes mais afetadas na osteoporose são: o colo do fêmur, coluna, a pelve e o punho. As partes de interesse na obtenção das imagens para diagnóstico são o fêmur e a coluna vertebral.

Sabe-se que hoje a densitometria óssea é o único método para um diagnóstico seguro da avaliação da massa óssea e conseqüente predição do índice de fratura óssea.
Segundo a Organização Mundial de Saúde, OMS, a osteoporose é definida como doença caracterizada por baixa massa óssea e deterioração da micro-arquitetura do tecido ósseo.

É recomendado que se repita anualmente a densitometria óssea para que o médico controle o acompanhamento evolutivo da osteoporose.

O objetivo de se fazer uma densitometria óssea é avaliar o grau da osteoporose, indicar a probabilidade de fraturas e auxiliar no tratamento médico. O paciente não necessita de preparo especial e nem de jejum. O exame leva aproximadamente 15 minutos. A osteoporose pode ser controlada, desde que o médico possa precisar o real estado de saúde do paciente.

Aparelho para Mamografia I

Aparelho para Mamografia I

O QUE É MAMOGRAFIA ?

A mamografia é um exame de diagnóstico por imagem, que tem como finalidade estudar o tecido mamário. Esse tipo de exame pode detectar um nódulo, mesmo que este ainda não seja palpável.

Para tanto é utilizado um equipamento que utiliza uma fonte de raios-x, para obtenção de imagens radiográficas do tecido mamário.

É o exame das mamas realizado com baixa dose de raios X em mulheres assintomáticas, ou seja, sem queixas nem sintomas de câncer mamário. A mama é comprimida rapidamente enquanto os raios x incidem sobre a mesma. Pode incomodar se for realizado quando as mamas estiverem dolorosas (por exemplo: antes da menstruação). Assim, deve ser feito cerca de uma semana após a menstruação. A imagem é interpretada por um radiologista especialmente treinado para identificar áreas de densidades anormais ou outras características suspeitas. O objetivo da mamografia é detectar o câncer enquanto ainda muito pequeno, ou seja, quando ele ainda não é palpável em um exame médico ou através do auto-exame realizado pela paciente. Descobertas precoces de cânceres mamários através da mamografia aumentam muito as chances de um tratamento bem-sucedido. Um exame anual de mamografia é recomendado para todas as mulheres acima de 40 anos. Resultados registrados pela American Câncer Society, em uma recente avaliação em oito clínicas escolhidas aleatoriamente, demonstraram que houve 18% menos mortes em decorrência de câncer mamário entre mulheres com 40 anos ou mais que haviam feito mamografia periodicamente. Os benefícios da mamografia quanto a uma descoberta precoce e a possibilidade do tratamento do câncer mamário são muito significativos, compensando o risco mínimo da radiação e o desconforto que algumas mulheres sentem durante o exame.

Aparelho de Ressonância Magnética I

Aparelho de Ressonância Magnética I

O QUE É RESSONÂNCIA MAGNÉTICA ?

Ressonância magnética é uma técnica que permite determinar propriedades de uma substância através do correlacionamento da energia absorvida contra a frequência, na faixa de megahertz (MHz) do espectro eletromagnético, caracterizando-se como sendo uma espectroscopia. Usa as transições entre níveis de energia rotacionais dos núcleos componentes das espécies (átomos ou íons) contidas na amostra. Isso se dá necessariamente sob a influência de um campo magnético e sob a concomitante irradiação de ondas de rádio na faixa de frequências acima citada.
Em espectroscopia, o processo de ressonância magnética é similar aos demais. Pois também ocorre a absorção ressonante de energia eletromagnética, ocasionada pela transição entre níveis de energia rotacionais dos núcleos atômicos, níveis estes desdobrados em função do campo magnético através do efeito Zeeman anômalo.
Como o campo magnético efetivo sentido pelo núcleo é levemente afetado (perturbação essa geralmente medida em escala de partes por milhão) pelos débeis campos eletromagnéticos gerados pelos elétrons envolvidos nas ligações químicas (o chamado ambiente químico nas vizinhanças do núcleo em questão), cada núcleo responde diferentemente de acordo com sua localização no objeto em estudo, atuando assim como uma sonda sensível à estrutura onde se situa.

MAGNETISMO MACROSCÓPICO E MICROSCÓPICO:

O efeito da ressonância magnética nuclear fundamenta-se basicamente na absorção ressonante de energia eletromagnética na faixa de freqüências das ondas de rádio. Mais especificamente nas faixas de VHF.

Mas a condição primeira para absorção de energia por esse efeito é de que os núcleos em questão tenham momento angular diferente de zero.
Núcleos com momento angular igual a zero não tem momento magnético, o que é condição indispensável a apresentarem absorção de energia eletromagnéticas. Razão, aliás, pertinente a toda espectroscopia. A energia eletromagnéticas só pode ser absorvida se um ou mais momentos de multipolo do sistema passível de absorvê-la são não nulos, além do momento de ordem zero para eletricidade (equivalente à carga total). Para a maior parte das espectroscopias, a contribuição mais importante é aquela do momento de dipolo. Se esta contribuição variar com o tempo, devido a algum movimento ou fenômeno periódico do sistema (vibração, rotação, etc), a absorção de energia da onda eletromagnéticas de mesma freqüência (ou com freqüências múltiplas inteiras) pode acontecer. Um campo magnético macroscópico é denotado pela grandeza vetorial conhecida como indução magnética B (ver Equações de Maxwell). Esta é a grandeza observável nas escalas usuais de experiências, e no sistema SI é medida em Tesla, que é equivalente a Weber/m3.

Em nível microscópico, temos outra grandeza relacionada, o campo magnético H, que é o campo que se observa a nível microscópico. No sistema SI é medido em Ampere/m. Rigorosamente, núcleos não apresentam spin, mas sim momento angular (exceção feita somente ao núcleo do isótopo 1 do hidrogênio, que é constituído por um único próton). Embora o spin possa ser considerado um momento angular, por terem ambos as mesmas unidades e serem tratados por um formalismo matemático e físico semelhante, nem sempre o oposto ocorre. O spin é intrínseco, ao passo que objetos compostos tem momento angular extrínseco. Contudo, motivos históricos e continuado costume levaram a esse abuso de linguagem, tolerado e talvez tolerável em textos não rigorosos. Um motivo a mais de complicação é o fato de que a moderna física de partículas considerar que certas partículas, antes pensadas como elementares (e, portanto possuindo spin), sejam compostas (próton e nêutron compostos de quarks). Assim, fica um tanto impreciso o limite entre os casos onde se deva usar o termo spin e os casos onde se deva usar o termo momento angular.

Aparelho de Radioterapia I

Aparelho de Radioterapia I

O QUE É RADIOTERAPIA ?

Radioterapia é uma especialidade médica focada no tratamento oncológico utilizando radiação. Há duas maneiras de utilizar radiação contra o câncer:
Teleterapia: utiliza uma fonte externa de radiação com isótopos radioativos ou aceleradores lineares; e

Braquiterapia: que é o tratamento através de isótopos radioativos inseridos dentro do corpo do paciente onde será liberada a radiação ionizante.

RADIOTERAPIA EXTERNA:

É um tratamento de radioterapia em que o paciente recebe a radiação de uma fonte externa. Ou seja, a radiação que atinge o tumor é emitida por um aparelho fora do corpo do paciente. Nesse tipo de tratamento a radiação também atinge todas as estruturas (tecidos e órgãos) que estiverem no trajeto do tumor. Nesse caso, a fonte radioativa é colocada a uma distancia que varia de 1 cm a 1m da região a ser tratada. Os equipamentos utilizados na teleterapia podem ser quilovoltagem, de megavoltagem e de teleisotopoterapia.

EQUIPAMENTOS DE QUILOVOLTAGEM:

São tubos convencionais de raios X. A voltagem aplicada entre os eletrodos é no máximo de 250 kV. Por essa razão, esses equipamentos são usados principalmente no tratamento de câncer de pele. Nesse tratamento o paciente é submetido a doses de 300 rad (3Gy) até atingir um total de 6000 rad (60 Gy).

EQUIPAMENTOS DE MEGAVOLTAGEM:

Nessa classe se situam os aceleradores de partículas como aceleradores lineares e bétatrons. Num caso típico em que os elétrons atingem uma energia de 22 MeV, a dose máxima devida a raios X ocorrerá entre 4 e 5 cm de profundidade, decresce para 83% a 10 cm e para 50% a 25 cm. Portanto na terapia de tumores nos órgãos mais profundos como pulmão, bexiga, próstata, útero, laringe, esôfago, etc.

BRAQUITERAPIA:

A Braquiterapia é uma forma de radioterapia na qual a fonte de radiação é colocada no interior ou próxima ao corpo do paciente. Materiais radioativos, geralmente pequenas cápsulas, são colocadas junto ao tumor liberando doses de radiação diretamente sobre ele, afetando ao mínimo os órgãos mais próximos e preservando os mais distantes da área do implante.

IMPORTANTE - COMO ESTUDAR PARA CONCURSOS PÚBLICOS

Sign by Danasoft - Get Your Free Sign

Adendo I

Adendo II

Adendo III

PROGRAMA BÁSICO DE RADIOLOGIA PARA CONCURSOS PÚBLICOS

PROGRAMA DE TÉCNICO EM RADIOLOGIA

· PRINCÍPIOS BÁSICOS DA FÍSICA DAS RADIAÇÕES.


· ELEMENTOS DE RADIOGRAFIA.

· FORMAÇÃO DA IMAGEM.

· RADIAÇÃO SECUNDÁRIA.

· ACESSÓRIOS DE UM APARELHO DE RAIOS X.

· COMPOSIÇÃO DOS FILMES RADIOGRÁFICOS

· CÂMARA CLARA E CÂMARA ESCURA.

· MANIPULAÇÃO DE QUÍMICOS: REVELADOR E FIXADOR, ÉCRANS, INTENSIFICADORES, CHASSIS, PROCEDIMENTOS DE FILMES RADIOGRÁFICOS.

· PROTEÇÃO RADIOLÓGICA.

· ANATOMIA HUMANA.

· TÉCNICAS RADIOGRÁFICAS.

· INCIDÊNCIA BÁSICA E ACESSÓRIA.

· CRÂNIO E FACE, MEMBROS SUPERIORES E INFERIORES, COLUNA VERTEBRAL, PELVE, TÓRAX, ABDOME E CUIDADOS NOS PROCEDIMENTOS RADIOGRÁFICOS.

· PROTOCOLO DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA.

· PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE EXAME EM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA.

. NOÇÕES DE MAMOGRAFIA.

----------------------------